Modificação de uma embarcação

Modificação de uma embarcação ou qualquer outro tipo de material flutuante

São destinatários desta informação todas as pessoas, individuais ou coletivas, armadores das marinhas de comércio e pesca, proprietários de embarcações de recreio, que pretendam modificar uma embarcação ou outro material flutuante

1. Projeto de modificação de embarcações

A modificação de uma embarcação tem associado um contrato de modificação, é disciplinado pelas cláusulas do respetivo instrumento contratual, conforme descrito no artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 201/98, de 10 de julho, e ao qual é aplicável, com as necessárias adaptações, o regime do contrato de construção referido no artigo 12.º e seguintes do diploma anteriormente mencionado.

Os elementos de projeto a aprovar pela DGRM através da DNC (Divisão de Novas Construções) para a modificação de uma embarcação ou qualquer outro tipo de material flutuante, devem descrever pormenorizadamente a embarcação ou outro material flutuante, servindo ainda para avaliação das suas condições de segurança à luz da regulamentação vigente, europeia, nacional e/ou internacional, adotada por Portugal.

Toda a correspondência respeitante ao projeto de modificação será efetuada entre a DGRM e o proprietário/armador da embarcação, excetuando-se nos casos em que o proprietário/armador da embarcação assim o tiver expresso, e indicar, através de Declaração/Procuração, quem é o seu representante legal para efeitos do processo. A DGRM dará igualmente conhecimento à Capitania de registo da embarcação ou material flutuante, às delegações da DGRM envolvidas no processo e, no caso das embarcações de pesca, à Divisão da Frota da DGRM.

A apresentação dos elementos de projeto para a instrução de um “processo de segurança” da embarcação é apresentado pelo proprietário/armador da embarcação, ou do seu representante legal devidamente identificado, devendo entregar os seguintes documentos:

a) Embarcações de Comércio, Rebocadores, Auxiliares e de Recreio:

Requerimento de Serviços encontra-se disponível em "Executar Serviço" e do qual constarão obrigatoriamente:

- Nome, Morada, Contactos e Identificação Fiscal do Proprietário / Armador e do seu representante legal (caso seja nomeado);

- Título de propriedade, no caso das embarcações de comércio, rebocadores e auxiliares;

- Livrete, no caso das embarcações de recreio

O processo será instruído e organizado de acordo com o descrito no ponto 2 “Organização do Processo”.

b) Embarcações de Pesca:

A instrução de um processo de modificação de uma embarcação de Pesca só é possível se o mesmo for autorizada pela Divisão da Frota (DF) da DGRM. Para mais informações consultar "Frota".

A apresentação dos elementos de projeto para a instrução de um “processo de segurança” da embarcação é apresentado pelo proprietário/armador, ou do seu representante legal, devendo entregar os seguintes documentos:

Requerimento de Serviços encontra-se disponível em Executar Serviço e do qual constarão obrigatoriamente:

- Nome, Morada, Contactos e Identificação Fiscal do Proprietário / Armador e do seu representante legal (caso seja nomeado);

- Título de propriedade;

- Ofício da Divisão da Frota autorizando a modificação da embarcação.

O processo será instruído e organizado de acordo com o descrito no ponto Organização do Processo”.

 

2. Organização do Processo

No processo deverá constar uma lista com o nome dos documentos técnicos apresentados.

O processo deverá ser instruído com todos os documentos necessários à sua análise. Não serão aceites e instruídos processos incompletos. Para mais informações consultar “Que documentação necessito?”.

Por cada documento técnico deverão ser fornecidos dois exemplares, dos quais um ficará depositado nos arquivos da DGRM e o outro será devolvido à entidade requerente.

Os desenhos deverão ser legíveis, estar convenientemente dobrados, perfeitamente identificados, legendados e cotados, e escritos em língua portuguesa. Não serão aceites desenhos compostos por colagens, ou planos que se apresentem distorcidos devido à sua reprodução.

Uma folha poderá conter mais do que um dos planos identificados nos anexos, desde que: não prejudique a legibilidade dos desenhos, não influencie a escolha da escala adequada, e os nomes dos documentos estejam escritos na legenda. Igual tratamento poderá ser dado aos cadernos de cálculo.

Os documentos técnicos de construções ou modificações a serem efectuadas no estrangeiro poderão ser apresentadas em Inglês, Francês ou Espanhol. No entanto o arranjo geral, o plano de segurança e o caderno de estabilidade deverão ser traduzidos para Português.

Todos os desenhos que representem totalmente a embarcação, em pelo menos um dos planos ortogonais, deverão inscrever as dimensões principais em espaço acima da legenda.

Nas modificações os desenhos a apresentar, considerando os que foram afectados pelas transformações, serão indicados nos mesmos anexos. Deverão ainda ser fornecidos planos de modificação, em que as partes alteradas serão desenhadas a cores com a seguinte regra: a traço amarelo as partes a retirar; a traço vermelho as partes a acrescentar.

As dimensões do papel deverão obedecer a um dos seguintes do desenho formatos:

Série A

 

Série B

 

Série C

 

Designação

Dimensões (mm x mm)

Designação

Dimensões (mm x mm)

Designação

Dimensões (mm x mm)

A0

841 x 1189

B0

1000 x 1414

C0

917 x 1297

A1

594 x 841

B1

707 x 1000

C1

648 x 917

A2

420 x 594

B2

500 x 707

C2

458 x 648

A3

297 x 420

B3

353 x 500

C3

324 x 458

A4

210 x 297

B4

250 x 353

C4

229 x 324

 

A legenda deve desenhar-se no canto inferior direito do desenho, e deve conter os seguintes elementos:

a) Identificação da embarcação;

b) Designação dos desenhos técnicos;

c) Identificação dos responsáveis pela execução do desenho;

d) Nome(s) do(s) proprietário(s)  da embarcação;

e) Informações gerais relativas às características do desenho (escalas, datas, etc.);

f) Referência às alterações que venham a ser introduzidas no desenho.

A dobragem dos desenhos deve obedecer às seguintes regras: quando dobrado ter as dimensões do formato A4 (210 x 297); a legenda ficar no frontispício do desenho dobrado.

A escolha da grossura do traço e do seu tipo, deverá ter em conta vários factores, como por exemplo: desenho em vista, em corte ou de partes invisíveis.

Alguns tipos de traços são: traço contínuo, traço interrompido, traço-ponto e traço longo alternado com curto, todos eles podendo utilizar várias espessuras de traço.

A cotagem dos desenhos deverão obedecer às normas portugueses sobre esta matéria.

Os desenhos deverão obedecer a uma das seguintes escalas de redução:

1:2                                      1:5                             1:1*

1:2,5                                   1:50                           1:10

1:20                                                                      1:100

1:25

1:200

1:250

*Reprodução igual ao objeto

A escala deve ser inscrita em local próprio na legenda, e caso exista mais do que uma escala, a principal será indicada com caracteres maiores.

A escolha da escala do desenho deverá ter em atenção as dimensões principais da embarcação, o tamanho do papel e o fim a que se destina, por forma a proporcionar uma leitura clara destes.

A título exemplificativo, indicam-se a seguir as escalas mais adequadas para os desenhos em função do comprimento fora a fora (Cff / LOA):

Cff / LOA (m)

Escala

<10

1:10

10 - 20

1:20 ou 1:25

20 – 50

1:50

50 – 100

1:100

100 – 200

1:100 ou 1:200

>200

1:200

O Sistema de unidades a empregar deverá ser o Sistema Internacional (SI), com os seus múltiplos e submúltiplos decimais, identificados pelos seus símbolos. A utilização do SI compreende, para além das unidades fundamentais, as suas suplementares e derivadas.

O processo deverá ser instruído com todos os documentos necessários à sua análise, devendo constar uma lista com o nome dos documentos técnicos apresentados.

Não serão aceites e instruídos processos incompletos.

Por cada documento técnico deverão ser fornecidos dois exemplares, dos quais um ficará depositado nos arquivos da DGRM e o outro será devolvido à entidade requerente.

Embarcações de Comércio: (em desenvolvimento)

 

Embarcações de Pesca:

Os documentos a submeter para aprovação dependem da área de navegação e do comprimento da embarcação. Para mais informações consultar "Frota" / “Entrada e Saída de Embarcações” / “Entradas na Frota”.

Deverão ser apresentados os seguintes documentos:

  • Embarcações de Pesca Local 

         Download (120kbytes)

  • Embarcações de Pesca Costeira de comprimento entre perpendiculares <12 m

         Download (124kbytes)

  • Embarcações de Pesca Costeira de comprimento entre perpendiculares entre 12 e 24 m

         Download (168kbytes)

  • Embarcações de Pesca Costeira de comprimento entre perpendiculares ≥ 24 m

         Download (184kbytes)

  • Embarcações de Pesca do Largo de comprimento entre perpendiculares entre < 45 m

         Download (120kbytes)

  • Embarcações de Pesca do Largo de comprimento entre perpendiculares ≥ 45 m

         Download (200kbytes)

Embarcações Auxiliares: (em desenvolvimento)

Rebocadores: (em desenvolvimento)

Embarcações de Recreio: (em desenvolvimento)

A tabela de taxas em vigor define valores diferentes para os diversos tipos de embarcações. A nomeação das vistorias a realizar é efetuada durante a análise processual.

Para quaisquer questões relacionadas com modificação de embarcações ou de outro material flutuante contactar dsam.requerimentos@dgrm.mm.gov.pt. No caso de questões especificamente relacionadas com modificação de embarcações de pesca deverão contactar adicionalmente mail.df@dgrm.mm.gov.pt